MATERIAIS PARA FACILITADORES

Aqui, você encontrará materiais que podem te apoiar nos seus movimentos e inspirar novas ideias. Para honrar com as pessoas que os produziram, siga compartilhando sua origem, caso os utilizem.

Se você tiver materiais que possam ser incluídos aqui e apoiar outros facilitadores e facilitadoras, envie para nós: contato@criepontes.com.br.

Se você encontrar necessidade de correções ou quiser sugerir formas de como podemos nos apoiar mutuamente de formas mais efetivas, por favor envie sua mensagem.

Comunicação Não Violenta

Listas de sentimentos e necessidades
Clique para baixar
Inspirada na lista oferecida pelo Colab Colibri.
Com intenção de linguagem inclusiva de gênero (inspiração de Luiz Pura Luz, que produz o Jogo Empatia).
Necessidades em outras palavras
Utilizar as palavras da lista de necessidades nas conversas do dia a dia, fora da comunidade CNV, pode ser algo que gere desconexão e desconfiança nas pessoas. Elas podem acabar se sentindo manipuladas por uma técnica quando começamos a utilizar, de forma repentina, palavras que não costumávamos utilizar.

Mas é possível permanecer no conceito das necessidades humanas universais, sem necessariamente utilizar as palavras da lista de necessidades.

Veja como: Clique para baixar

Exercícios de autoconexão

“Eu fico muito feliz quando…”
[cnv] [individual] [partilha em grupo] [mentalização] [escrita] 

Materiais:
– Listas de sentimentos e necessidades
– Papel e caneta para os participantes

Orientações aos participantes:

1. Pense em uma situação da sua vida com a qual você não está feliz. Pode ser íntima, pessoal. Você não precisa compartilhar com outras pessoas, você pode manter isso só para você.

2. Defina uma frase estática que descreva essa situação e escreva num papel. Por exemplo:

Ela nunca chega pontualmente
Ele só pensa nele mesmo
Ela é insensível
Ele é um idiota

3. Mentalmente, repita essa frase várias e várias vezes. Perceba o que acontece com o seu corpo quando você faz isso.

4. Quais são as sensações físicas que você identificou? [ofereça oportunidade de partilhas entre os participantes]

5. Quais são os sentimentos que você identifica? [ofereça oportunidade de partilhas entre os participantes]

6. Reescreva sua frase da seguinte forma:

– “Eu fico muito feliz quando (…necessidade…)”
– Ela nunca chega pontualmente
– Eu fico muito feliz quando tenho previsibilidade e respeito
– Ele só pensa nele mesmo
– Eu fico muito feliz quando sou escutada, ou quando sou cuidada.

7. Repita silenciosamente essa frase, e perceba o que acontece com seu corpo.

Este é o processo de nos conectar no que está vivo em nós. É como voltar para casa. E nosso comportamento pode partir disso, do que está vivo em nós, em vez de partir do que pensamos sobre o outro.

Fonte: NVC Academy https://www.youtube.com/watch?v=E8DR3Y5kMY8&t=1045s (adaptado)

Autoconexão por escrito
[cnv] [individual] [escrita]

Materiais:

– Listas de sentimentos e necessidades
– Papel e caneta para os participantes

Orientações aos participantes:

1) Escreva o contexto da situação.
Exemplo: a reunião de semana passada.

2) Escreva uma observação específica, algo que alguém falou ou fez. Algo que uma câmera de vídeo ou um gravador poderia captar daquela ação. Algo que você não gostou, que não funcionou para você.
Note se existe alguma avaliação, análise ou interpretação sobre o que aconteceu.

Exemplo: Na reunião de quinta feira passada, meu amigo estava com muita raiva. É uma interpretação. Na verdade, uma observação seria “ele fechou as mãos e bateu na mesa”. Ele se levantou e falou com um tom de voz mais alto que ele geralmente fala.

3) Escreva seus pensamentos, julgamentos e crenças. O que você pensa sobre isso que aconteceu?
Exemplo: Ele é muito… Eu sou tão… Essa empresa é muito…

4) Quando você se conecta com a situação, com o que realmente aconteceu, seus pensamentos sobre isso, quais são as sensações que aparecem no seu corpo?

Obs: Conectar-se diretamente com essas sensações é diferente de identificá-las intelectualmente. Sentir não é um processo intelectual.
Exemplo: Pressão nos ombros, aperto no estômago, coração batendo mais rápido

5) Quando você se conecta com a situação, com o que realmente aconteceu, seus pensamentos sobre isso, suas sensações corporais, quais são os sentimentos que surgem? Podem ser vários.

Obs: Procure sentir diretamente, e não só pensar sobre isso.

6) O que é profundamente importante para você em relação a essa situação? Quais são as necessidades humanas universais ou valores?

Obs: Se vier à mente uma estratégia em vez de necessidade, pergunte-se. “O que isso vai lhe trazer, se você tiver isso?”

7) Você tem algum pedido para si mesmo(a) ou para outra pessoa?

Obs: Critérios para avaliar se este é um pedido CNV (específico, realizável, linguagem positiva, presente – oferecer a oportunidade do outro a dar uma resposta neste momento presente) 

 

Fonte: Treinamento Alan Seid

Cabeça, tórax, abdômen
[cnv] [individual] [mentalização]

Orientações aos participantes:

Pense em uma situação que te faz querer receber empatia, que te faz querer cuidado.

Toque sua cabeça e solte seus pensamentos, julgamentos, tudo que vier a cabeça sobre essa situação.

Respire profundamente

Toque seu tórax, perceba as sensações presentes no seu corpo e as emoções que está sentindo.

Respire profundamente.

Toque o seu abdômen, perceba suas necessidades nessa situação. O que é mais importante pra você e você não teve?

Respire profundamente.

Feche os olhos e imagine-se tendo essas necessidades atendidas. Como você se sente?

Respire profundamente.

Você gostaria de fazer um pedido específico para si mesmo(a), ou para outra pessoa nessa situação? Qual?

 

Fonte: Carolina Nalon https://www.youtube.com/watch?v=joW_SkWiCWY (adaptado)

Autoconexão por escrito + Empatia com o outro

[cnv] [individual] [escrita]

Clique para baixar

Elaborado por Juliana Matsuoka

Exercícios – Prática dos 4 componentes individualmente

Exercícios do Livro Comunicação Não Violenta - Marshall Rosenberg

Jogos

Jogo Empatia
É uma ferramenta que desenvolve a inteligência emocional e facilita a empatia e compaixão.

Clique para saber mais e adquirir: https://www.jogoempatia.com/baralho

Jogo Grok
O Grok é um jogo de cartas baseado na Comunicação Não Violenta (CNV), abordagem desenvolvida pelo psicólogo americano Marshall Rosenberg e também conhecida como Comunicação Empática.

Clique para saber mais e adquirir: https://colabcolibri.com/loja/jogo-grok/

Imagine-me
Um jogo de cartas que estimula crianças a entenderem e respeitarem o “diferente” e a reconhecerem as emoções por meio da arte e ludicidade.

Clique para saber mais e adquirir: https://colabcolibri.com/loja/jogo-imagine-me/

Conversadeira
A Conversadeira é uma brincadeira com 200 perguntas em cards pra estimular conversas. O Objetivo do jogo é que você descubra coisas incríveis sobre seus pais, filhos, avós, maridos, namorades…

Clique para saber mais e adquirir: http://silviastrass.iluria.com/pd-2f1b50-conversadeira.html?ct=&p=1&s=1​

Imagens / Ilustrações

Apprentie Girafe
Desenhos da página Apprentie Girafe traduzidos para o português por Marina De Martino. A autora “permite a divulgação desde que a fonte seja citada e mantida sobre os desenhos”

Clique para acessar álbuns da Marina no Facebook:

Álbum 1

Álbum 2

Álbum 3

(É necessário fazer o login no Facebook para acessar)

Aprofundamento em CNV

Encontros online para se aprofundar na prática e nos conceitos da CNV, levantar diálogos, tirar dúvidas e fortalecer rede. (Destinado a quem já vivenciou algum curso introdutório).

Cultura de Paz

Cartilhas

Vamos Ubuntar?
Clique para baixar

Nas páginas deste guia, de autoria de Lia Diskin, há sugestões para cultivar os princípios, diretrizes e valores da cultura de paz, sintonizadas com a grande sabedoria africana do conceito de Ubuntu: Somos o que somos por tudo aquilo que todos somos.

Cultura de Paz - redes de convivência
Clique para acessar

Aspectos conceituais e 10 ações permanentes desenvolvidas no Brasil com foco nos princípios e valores de uma Cultura de Paz formam o conteúdo da cartilha Cultura de Paz – redes de convivência, escrita pela Profa. Lia Diskin e publicada pelo Senac São Paulo. O lançamento ocorreu dia 27, durante o II Workshop de Mídia e Desenvolvimento em Debate, na 8ª Expo Brasil Desenvolvimento Local, no parque de convenções do Anhembi.”

“Esta cartilha veio em um momento importante e aproveita a extraordinária capilaridade do Senac, sua credibilidade e vocação educativa”, salienta Lia. Esta publicação s erá mais um instrumento de formação de lideranças e agentes de desenvolvimento local das comunidades em que o Senac atua, com distribuição gratuita e disponível para download pela internet nos sites da Palas Athena, do Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz e do próprio Senac.

Cultura de Paz – redes de convivência compõe uma trilogia fundamental para o aprendizado e a disseminação destes conceitos. “Juntamente com as cartilhas Paz, como se faz? e Vamos ubuntar?cobrimos os aspectos conceituais e de práticas que já demonstraram dar resultados, criando e potencializando espaços e ações para o benefício de todos, indivíduos e comunidades”, conclui a Profa. Lia Diskin.

Paz, como se faz?
Clique para acessar

Essa cartilha, escrita por Lia Diskin e Laura Gorresio Roizman, tem como principal objetivo o desenvolvimento da criatividade, do diálogo e da aceitação do outro como estratégia educativa para a construção de uma Cultura de Paz. Para transformar os valores da Cultura de Paz em realidade na vida cotidiana, as autoras apostam na educação para criar e incentivar processos inclusivos na juventude.

A cartilha apresenta textos teórico baseados nos quatro pilares da Educação do futuro – aprender a conhecer, a fazer, a viver junto e a ser – e nos seis princípios do Manifesto 2000 da UNESCO – respeitar a vida, ser generoso, ouvir para compreender, redescobrir a solidariedade, rejeitar a violência e preservar o planeta. Sugere também muitas atividades voltadas principalmente para o público jovem,como jogos, dinâmicas de grupo, espaço de leituras, artes manuais, discussão sobre os meios de comunicação e outros.

Programa Cultura de Paz - Senac
Clique para acessar

Programa Cultura de Paz busca desenvolver continuamente os colaboradores das organizações para uma convivência produtiva e livre de violência. Assim, a intenção é que todos sejam capazes de enxergar oportunidades de aprendizagem nos conflitos, por meio de conceitospráticas e ações educacionais que fortaleçam as competências essenciais ao Senac São Paulo e estejam alinhadas às diretrizes institucionais e aos valores que sustentam a cultura de paz.

Livros infantojuvenis

A semente da verdade

Processos circulares de construção de paz

Guia de práticas circulares - No coração da Esperança - Kay Pranis
Clique para baixar

Escrito por Carolyn Boyes-Watson e Kay Pranis

Círculos em Movimento
Material didático Círculos em Movimento:

https://www.escolamaispaz.org.br/circulosemmovimento/downloads/

Outros materiais de apoio

Para pessoas que estejam inseridas em qualquer contexto, e queiram fortalecer seus relacionamentos.

Assine nossa newsletter







Cuiabá - MT

contato@criepontes.com.br

Propostas de parcerias, treinamentos corporativos e cursos livres:
(65) 98126-3232 (Whats app)