Não é fácil respeitar uma pessoa quando ela não nos respeita, não é?

Quando somos desrespeitados, parece ser óbvio que não devemos respeitar a quem nos desrespeitou.

Ao pensar em respeitar a pessoa que nos desrespeitou, parece que estamos oferecendo a ela um prêmio por ter agido de forma negativa.

Mas saiba que esse pensamento é a maior causa da perpetuação da violência na nossa sociedade.

Vou pedir pedir para que você entre na minha viagem imaginativa: Eu gostaria que martelos deixassem de existir porque as pessoas os usam para ferir as outras. Se um dia, eu recebo uma martelada na cabeça, e como resposta a isso, eu fabrico um novo martelo para devolver a agressão com a mesma ação e a mesma ferramenta, como posso esperar que marteladas e martelos deixem de existir?

Se quero que a violência, o desrespeito, a dominação, a opressão desapareçam (ou no mínimo, sejam exceção e não a regra em nossa sociedade) é preciso utilizar novas ferramentas e mecanismos para responder a eles.

Portanto, este é um bom momento para se perguntar: Qual a qualidade de respeito que você oferece para as pessoas, quando elas fazem algo “errado”? Quando elas se comportam de formas que te prejudicam?

 

O que é Respeito?

Respeito não é gostar das pessoas. Você pode não gostar.

Não é sobre fazer o que os outros querem. Você pode fazer o contrário.

Nós podemos respeitar as pessoas, e dizer “não” para seus comportamentos e escolhas. Nós podemos rejeitar as ações das pessoas, sem rejeitá-las como pessoas.

Respeitar as outras pessoas é, simplesmente, reconhecê-las como seres humanos. Reconhecer a humanidade delas por trás de seus comportamentos.

É reconhecer que, assim como nós, a outra pessoa existe, que seus sentimentos e necessidades são legítimos, e que ela tem poder.

Respeito não é algo que precisa ser dado em virtude de um bom comportamento. Todo ser humano merece a chance de ser visto e ser escutado, simplesmente, pela virtude de ser humano.

 

Oferecer respeito, mesmo quando não for espontâneo

Nós podemos não sentir nenhum respeito pelo outro num determinado momento. Mas, mesmo que não tenhamos muita escolha sobre o que sentimos, nós temos o controle sobre como agimos.

Respeito começa com com comportamentos concretos, como escutar e reconhecer o outro, o que pode (ou não) nos levar a sentimentos genuínos de respeito.

Você oferece respeito aos outros não pelo que eles são, mas sim por conta do que você é. Respeito é uma expressão de si mesmo e dos seus valores.

E quando você oferece respeito a outra pessoa, isso não reduz o seu próprio suprimento dele. Respeito, empatia e amor ao outro são recursos inesgotáveis, quando você oferece isso a si mesmo.

Respeito ao outro começa com respeito por si próprio. Respeito e cuidado com nós mesmos cria o espaço emocional e mental que nos permite enxergar verdadeiramente o outro.

Faça o que necessário para que você consiga sustentar a sua capacidade de respeitar as pessoas, independentemente de suas ações.

E se você não consegue respeitar a outra pessoa num determinado momento, espere até que você consiga para proceder.

 

Respeitar o outro traz benefícios para você

 

– Interdependência

Numa sociedade que confunde individualidade (cada ser humano é único) com individualismo (eu não preciso de ninguém), as relações de interdependência entre seres humanos é algo que poucas pessoas conseguem enxergar.

Somos interdependentes entre nós. Nem dependentes, nem independentes. Precisamos uns dos outros para termos nossas necessidades mais básicas atendidas de pertencimento, importância e conexão humana. Mesmo nossas necessidades físicas de alimento e abrigo, só podem ser atendidas através de outras pessoas.

Por isso, o meu bem-estar e o bem-estar das outras pessoas são a mesma coisa.

Eu jamais terei segurança sustentável e verdadeira enquanto os ladrões estiverem nos presídios. Eu terei segurança quando outras pessoas não precisarem mais roubar para terem suas necessidades atendidas.

Por isso não faz sentido algum cuidar de mim, sem cuidar dos outros. Cuidar dos outros é cuidar de mim. E cuidar de mim é cuidar dos outros.

 

– Benefícios imediatos para mim

Se esse conceito de interdependência estiver muito distante ou vago, pense nos benefícios que oferecer respeito ao outro pode trazer para você.

“Um motivo óbvio para oferecer respeito ao outro é porque isso funciona.” Willian Ury

Numa negociação, respeito é a concessão mais barata que você pode dar a outra pessoa. Custa muito pouco e, certamente, irá te render muito.

Oferecer respeito à outra pessoa, mesmo que vocês sejam adversários, também serve aos seus interesses. Quando você oferecer respeito a outra pessoa, não pense que você está fazendo um favor a ela. Pense que você está fazendo um favor para si mesmo, porque no final, isso te ajudará a ter às suas necessidades atendidas.

Se queremos influenciar alguém positivamente, precisamos que ela nos escute, considere nossas necessidades, e colabore conosco. 

De onde tiramos a absurda ideia de que, para fazer uma pessoa agir melhor, precisamos antes, fazê-la se sentir pior? (Inspirado em Jane Nelsen)

Lembre-se que demonstrar respeito não provém da fraqueza ou insegurança, mas sim da força e da confiança.

 

Como demonstrar respeito mesmo quando discordamos?

Independentemente de seu comportamento, trate os outros com o mesmo senso de dignidade com o qual você gostaria de ser tratado.

 

  1. Escutando

“Respeito é a chave para abrir a porta da mente e do coração da outra pessoa.” Willian Ury

Ouvir é diferente de escutar. Ouvir provém de uma capacidade biológica. Nós ouvimos os sons em geral, latidos dos cachorros, os sons dos automóveis, as vozes das pessoas.

Escutar exige uma capacidade interpretativa, envolve atenção, presença e silenciamento dos nossos próprios pensamentos.

Esperar a outra pessoa terminar de falar também não é escutar. Quando estamos planejando nossa próxima resposta, estamos escutando a nós mesmos, e não ao outro.

Quando estamos escutando, toda a nossa atenção está direcionada ao que o outro pensa, sente, precisa e deseja. E não na direção das minhas impressões sobre tudo isso.

Para demonstrar que escutou a outra pessoa, você pode dizer para ela o que você compreendeu sobre o que ela disse, e assim ela terá a oportunidade de checar se você compreendeu como ela realmente gostaria. 

Você pode dizer o que você imagina que a pessoa esteja sentindo e qual deve ser a necessidade dela.

Você também pode fazer perguntas de esclarecimento. Se você não tiver certeza sobre o que o outro deseja ou por que ele fez o que fez, não apenas tente adivinhar, pergunte.

“O que aconteceu que te fez ficar chateado?”

“Você poderia me ajudar a compreender as suas necessidades?”

Tente não interromper a fala da outra pessoa. Inclusive, faça o oposto: quando ela finalizar sua fala, surpreenda positivamente perguntando se tem mais algo que gostaria de dizer. Se tem mais algo que ela gostaria que você soubesse.

 

  1. Oferecendo o benefício da dúvida

Parta do princípio de que você não sabe todas as condições e circunstâncias que levaram a outra pessoa a fazer o que ela fez.

Mesmo que você tenha a certeza de que sabe, dê ao outro a chance de ter uma alternativa que não seja reagir de forma defensiva a uma acusação.

Por exemplo:

Exemplo 1:

“Imagino que você não tenha percebido que essas pessoas já estavam na fila antes de você. Poderia, por gentileza, ir ao final da linha que está demarcada no piso?”

Exemplo 2:

“Estou vendo suas roupas sujas pelo chão da casa. Aconteceu alguma coisa?”

 

  1. Partindo da perspectiva do outro

Partir da perspectiva do outro ajuda muito a construir a conexão que possibilita a compreensão das mensagens que queremos transmitir.

Antes de corrigir, educar, sugerir, demonstre que você imagina como deve ser estar na experiência do outro (a partir da perspectiva dele, e não da sua).

Exemplo 1:

“Meu filho, você finalmente conseguiu abrir a geladeira sozinho! Você está contente né?! Que forte está ficando! Agora que consegue fazer isso, eu gostaria que você abrisse a geladeira só para pegar o que vamos usar agora, e que feche logo depois, para preservar as comidas e elas não estraguem ok?”

Exemplo 2:

“Eu entendo o problema que aconteceu, isso realmente é extremamente desgastante e eu lamento muito que você esteja passando por isso. Eu já estive no seu lugar. Apesar disso, não posso atender o seu pedido. O que eu posso fazer é…”

 

  1. Oferecendo gestos de reconhecimento e valorização

Todos os seres humanos têm a necessidade básica de serem reconhecidos e valorizados. Oferecer isso para elas é uma demonstração de que você a considera um ser humano digno, como você.

Exemplo 1:

“Eu imagino que o seu trabalho não seja fácil, que requer muita determinação e paciência, e que ele seja importante para que mais pessoas tenham acesso a esse serviço que me ajuda tanto. Gostaria que soubesse que eu estou bem com o meu pacote de serviços atual, e que me ajudaria muito poder trabalhar sem as interrupções das ligações da operadora…”

Exemplo 2:

“Filho, por mais que eu discorde do que você fez, eu queria que você soubesse que eu sei que não foi sua intenção causar mal para ninguém.”

 

Partindo de um lugar de respeito, o diálogo se torna possível, bem como a busca por soluções que cuidem de você ao mesmo tempo que cuida do relacionamento.

Você gostaria de ser respeitado incondicionalmente? Mesmo quando erra, quando perde a cabeça, quando está com raiva ou com medo? Ofereça essa oportunidade para as outras pessoas também.

Juliana Matsuoka
Share This